VISITAS DE ESTUDO


Esta página serve para dar conta do processo de preparação e realização de duas VISITAS DE ESTUDO



Grupo 2 Os Gaivotas

Grupo 3 Os Rurais

grupo 4 - Os comilões de gaivotas



- grupo 3 - Os Rurais
- Grupo 6 - TEAM GREEN

- grupo 9 - PAUS

VE nº 2 ????- jportela jportela Mar 15, 2010



VE nº 1 - Baldio do Marão






AVISO: Até ao dia 15 de Março (2010), cada Grupo de Trabalho deve colocar o seu Relatório da Visita de Estudo na webpage VISITAS DE ESTUDO (o equivalente a um max. de 4 folhas A4). Uma cópia, em papel, deve ser igualmente entregue ao docente, antes do início da primeira aula de 15 de Março (9horas).




ATENÇÃO: 8 de Março


Local de Partida: Quinta de Prados

, junto à Associação Académica,
Hora de congregação: 08h 00 até às 08h 15m

Hora de Partida:
08h 20m



Inscrições VE Baldio do Marão


Docentes, investigador e doutoranda

  1. José Portela
  2. Hermínio Botelho
  3. Pedro Silva
  4. Pradip Kumar Biswas, investigador do CETRAD
  5. Ambra Castelanoti, doutoranda italiana


Alunos
  1. Jorge Pinto Monteiro - 27846
  2. - joao_loureiro joao_loureiro Mar 1, 2010
  3. - Luis_Ferreira Luis_Ferreira Mar 1, 2010
  4. Alexandre Verde - 18296
  5. Vitor Silva 30464 - vmos89 vmos89
6. João Pedro Sequeira nº 27845
7. Daniela Fraga - 28942- Daniela_Fraga Daniela_Fraga
8. José Rocha - 35461
9. João Costa - 32239
10. Alexandre Silva - 30455
11.Luís Resende - 35462
12. César Gonçalves - 32235
13.Pedro Carvalho 28947
14.Ana Luisa Costa- 32233
15.Ana Maria Ferreira- 32234
16.Tânia Veloso- 32248
17.Tânia Pereira- 32247
18.Ana Peão- 35459
19.Ana Furtado- 27838
20.Isabel Rebelo- 32237
21.Armando Pereira 30457
22. Ruben Araújo 35465
23.Jose Nunes 32240
24.Manuel Brito 30462
25. Tiago Silveira 25974
26.Claudio Lourenço 33999 (encontro-me convosco na pousada ás 8h50)
27.Filipe G. Silva (nº 35815)
28.- DiogoParente DiogoParente Mar 2, 2010
29.Ricardo Veloso 32245
30.Diogo Silva 35460- Diogofsilva Diogofsilva Mar 2, 2010
31. Leandro Pereira Dias 28946
32. Gualdino Joel nº 30459
33. Melissa Pinto nº35463
34. - samuelreis samuelreis Mar 1, 2010vou ter à pousada
35.André Ferreira nº34842
36. Nuno Novais nº34001
37.Carlos Marinho- Huntsmarinho Huntsmarinho Mar 15, 2010nº27839
38. Célia Lemos nº27841
39. Nelson Serra nº 32244
40. Eugenio Carvalho nº28943
41. Igor Nora nº34843


Programa




Visita de Estudo
UTAD
Eng.ª Florestal

8 de Março de 2010


Serra do Marão
A visita prevista incide no conhecimento dos territórios comunitários inseridos no Perímetro Florestal da Serra do Marão e Meia Via, em Regime Florestal desde 1916.
Objectivos da visita:
Conhecimento da evolução do Regime Florestal na Serra do Marão, evolução dos usos e costumes, o papel de Estado, e a participação dos compartes nos processos de gestão.
De forma a se poder abranger diferentes matérias para discussão, propõe-se o seguinte programa.
Encontro às 0900 horas junto à pousada do Marão.
0915 Visita à parte mais alta da serra para apresentação das acções de arborização e de fogo controlado.
1015 Deslocação em autocarro ao Posto de vigia para conhecimento das principais aldeias comunitárias
1100 Visita ao Posto Aquícola do Torno – Viveiro de trutas
1230 Almoço em pic-nic no parque de merendas da Lameira.
Todas estas paragens servirão para discussão em diferentes temas, e serão acompanhadas por elementos dos Conselhos directivos dos baldios e compartes envolvidos, engenheiros florestais da associação de baldios da Serra do Marão e do Gabinete Técnico Florestal.


Em pormenor:

- Visita um projecto Agris Marão onde pretendeu intervir com vista a atingir os objectivos estabelecidos no Plano Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PNDFCI) de forma a preservar a estabilidade ecológica e funcionalidade deste espaço florestal, com o respeito pelas Boas Práticas Florestais, dotando esta área baldia de mecanismos que condicionem a deflagração de incêndios florestais e que possam contribuir para a contenção da sua progressão, visto ser uma área associada a um risco de incêndio elevado (Grandes incêndios e Poucas ocorrências), dada a continuidade vertical e horizontal do combustível vegetal existente.
Assim melhorou-se e criou-se infra-estruturas (caminhos florestais, aceiros, parque de lazer) e recuperou-se áreas ardidas propondo-se medidas de silvicultura preventiva que abrangem a plantação de folhosas variadas no sentido da compartimentação e da diversificação na ocupação arbórea.

- Visita a uma parcela de fogo controlado

Nesta paragem pode-se ter uma ideia deste instrumento de gestão dos povoamentos florestais
A aplicação desta técnica obriga a condições ambientais particulares de forma a atingir objectivos específicos de gestão de recursos. É planeada de acordo com os variados ecossistemas florestais e com o desenvolvimento do coberto vegetal e respectivo padrão espacial, correspondendo-lhe um horizonte temporal (anual ou plurianual) e âmbito duma unidade de gestão no sentido de aumentar o número de alternativas que visam o decréscimo do risco de ignição de incêndio.
Saliente-se também, que o Fogo Controlado é uma alternativa económica e expedita aos métodos químicos ou cortes manuais e mecânicos de eliminação de combustível e deve estar integrada num plano de gestão, como se referiu, cuja prioridade é compartimentar o espaço florestal através da localização estratégica das diferentes parcelas de gestão de combustível.
Mas, esta prática não se esgota aqui, podendo similarmente ser utilizada com outros objectivos, tais como:


  • Quebrar a dormência das sementes e estimular a sua germinação;
  • Preparar o terreno para a instalação de espécies vegetais;
  • Controlar os insectos e fungos patogénicos;
  • Desbastar ou desramar um povoamento florestal;
  • Gerir de habitats para a pastorícia ou cinegética;
  • Melhorar as condições das espécies animais, por exemplo através da queima de sementes indesejáveis de plantas infestantes e difíceis de controlar por outros meios, como é o caso das acácias em Portugal.


- Visita ao Posto de Vigia da Senhora da Amoreira, a 1000 metros de altitude.
Aqui podemos ter uma ideia como funciona um posto de vigilância de fogos florestais e ver alguns aspectos das intervenções na Serra do Marão.
Ø Plantação de Pinheiro-larício (Pinus nigra J.F.Arnold) (1991)
Ø Incêndio de 2006-06-04
Ø Parcelas de fogo controlado e o papel que tiveram no incêndio de 2006

- Visita ao Viveiro das trutas – Posto Aquícola do Torno na Serra do Marão
Infra-estrutura importante no repovoamento das águas interiores e abastecimento das pisciculturas privadas. Este posto Aquícola iniciou a sua actividade em 1943 e faz parte de um conjunto de postos que foram construídos com o objectivo, entre outros, de debelar a carência de ovos embrionados, provocada pela II Guerra Mundial, e a necessidade de promover o repovoamento das massas hídricas do país.
- Visita à plantação de Pinheiro-silvestre no limite do Serra do Marão

Almoço no Parque da Lameira (área que é composta, nomeadamente, por um Centro de Interpretação e Identificação da fauna, flora e paisagem, bem como da actividade mineira que, em tempos, se centrou na exploração do volfrâmio; na criação de um espaço para a educação ambiental, direccionado às escolas do Distrito do Porto, estando já disponível um auditório ao ar livre, e, ainda, de um parque de merendas de apoio aos visitantes) Principalmente ocupado por Larix decidua e por pseudotsuga menziessi garante uma boa cobertura com boa sombra para os merendeiros.

Caso necessitem de nos contactar, podem utilizar o e-mail ou a morada e telefone que seguem abaixo.
Esperamos que tenham um bom dia.

Luis Côrte-Real
**luis.cortereal@dgrf.min-agricultura.pt**


PROTOCOLO DA VISITA DE ESTUDO